Em palestra, executivo admitiu que empresas violaram os termos de uso do mensageiro, contratando ilegalmente disparos de mensagens no período eleitoral

O WhatsApp admitiu, pela primeira vez, o envio ilegal de mensagens em massa nas Eleições de 2018, com sistemas automatizados contratados por empresas. A disputa presidencial foi protagonizada pelos candidatos Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), com vitória do primeiro. As informações são de uma reportagem do jornal Folha de S.Paulo desta terça-feira (8).

“Na eleição brasileira do ano passado houve a atuação de empresas fornecedoras de envios maciços de mensagens, que violaram nossos termos de uso para atingir um grande número de pessoas”, disse Ben Supple, gerente de políticas públicas e eleições globais do WhatsApp, em uma palestra no Festival Gabo. Desde o período eleitoral, o aplicativo tem feito mudanças que buscam combater a disseminação de fake news.

 

por techtudo