Suspeitos presos por furtarem envelopes bancários de dentro de caixas eletrônicos, neste domingo (10), teriam praticado o crime em cinco agências bancárias em Teresina. Segundo o coordenador do Greco, delegado Tales Gomes,   o grupo se utilizava de uma modalidade nova no Piauí chamada de “pescaria” no qual improvisavam uma ferramenta com placas de madeira, aço e fita adesiva para “pescar”  os depósitos de dentro dos terminais de autoatendimento.

Os suspeitos estiveram nas agências do Banco do Brasil da 13 de Maio, Marquês, São Cristóvão, Piçarra e Nova Ceasa, onde foram presos na manhã de ontem (10). Coordenador do Greco ressalta que o grupo veio de São Paulo para Teresina de avião no último sábado  (09).

“Três vieram de São Paulo e dois são do Maranhão, sendo que um desses [Charles] já mora em Teresina. É um empresário, dono de um restaurante na Avenida Miguel Rosa e foi responsável por toda a logística, desde dar casa pra eles ficarem, até dirigir o carro”, explica Tales Gomes.

Os suspeitos foram identificados como Gabriel Amaral dos Santos Silva , vulgo “Neymar”, Rogério Mesquita Batista  e Hellen Fabíola Pereira dos Santos. Todos são naturais de São Paulo. Também foram presos Francisco Charles de Castro Pereira e Samuel Silva Filho. Estes são naturais do Maranhão.

“O Gabriel se autointitula Neymar porque diz que é um craque nessa modalidade de pescaria de envelope. Ele veio de São Paulo com passagem paga para cometer esses crimes em Teresina. Em 30 segundos pesca um envelope e diz que, se nada der errado, consegue em média R$ 28 mil em um dia. Ele também confessou que já conseguiu meio milhão de reais praticando esse crime pelo país”, disse Daniell Pires, presidente do inquérito policial.