O ex-ministro da Educação Milton Ribeiro foi preso pela Polícia Federal há pouco, na manhã desta quarta-feira (22/6), na operação “Acesso Pago”, que investiga os esquemas de corrupção no MEC.

A prisão pode trazer dividendos ruins não só políticos, como criminais a Jair Bolsonaro. Em março deste ano, em depoimento à PF, Ribeiro disse que apenas obedecia ordens do presidente.

Aos agentes, o ex-ministro informou que Bolsonaro, de fato, pedia que o Ministério repassasse as verbas para os municípios indicados pelos pastores Gilmar Silva e Arilton Moura, os mesmos que aparecem no centro do escândalo e que também foram presos hoje.

O presidente, contudo, resistiu à ideia pelo tempo que pôde. Bolsonaro acreditava que o episódio poderia até “fortalecer” Ribeiro, porque o caso demonstraria, na visão dele, que o ministro se preocupava com municípios pobres e atendia devidamente a base bolsonarista evangélica.